quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Medianeiros


Criação da poetisa Giovânia Correia:

O que é um Medianeiro? Como fazer?/// Esse novo experimental que criei, é composto por 3 tercetos,e cada verso contém apenas 3 palavras,pode se contar até mesmo uma letra sozinha:a,e,o... sendo válida como uma palavra,os versos de cada terceto terminam assim:o primeiro rima com o terceiro em sua terminação, e os segundos versos serão sempre iguais em suas terminações. Não existe métrica! Para quem não sabe o que é métrica: Metro é a medida do verso. O estudo do metro chama-se metrificação e escansão é a contagem dos sons dos versos. As sílabas métricas, ou poéticas, diferem das sílabas gramaticais em alguns aspectos. Porém o Medianeiro é livre! E sobre o título,o mesmo só pode ter uma única palavra, e a mesma não pode constar nos versos da poesia.

http://www.recantodasletras.com.br/autores/giovaniacorreia



Conhecendo ( 01 )

Gostei de conhecer
Novo estilo poético.
Fácil de entender,

Espero ser aprovada.
Meu pensar eclético
Faz-me demais atrevida.

Mando meu recado,
Nada de magnífico,
Giovânia, aguardo resultado...

dinapoetisadapaz


Incertezas ( 02 )

Ontem só paixão,
saudade me consumia
doía meu coração.

Hoje acordei Zen,
a Paz dizia...
menina, fica bem.

Amanhã, novo contexto?
Nesse vai vem,
também me acerto.

dinapoetisadapaz



Confusa  (03 ) 

Versos de amor 
Escreveu para mim,
Li, achei confortador.

Chamou-me de musa,
Sentimento repentino assim
Deixou-me meio confusa.

Coração vibrou forte,
Alegrou-se, fez festim,
Liberou meu passaporte.

dinapoetisadapaz

Infinito ( 04 )

Nossos fecundos corações
campo fértil futurista
produtor de emoções,

Em sigiloso encontro
como dois artistas,
sem nenhum pranto,

transpõem obstáculos impostos.
Dois corações otimistas,
vivem amor infinito!

dinapoetisadapaz


Recusa (05 )

Por não querer
seguir na retidão
foi impossível vencer

as adversidades impostas.
Estendi-lhe minha mão,
virou-me as costas.

Ajuda não aceitou,
sem nenhuma visão
do perigo, mirrou.

dinapoetisadappaz


Adeus (06 )

Não disse adeus,
Órfã do amor,
fiquei, sonhos meus

Desfeitos no ar.
Murchei como flor,
Num breve definhar.

Em lágrimas abissal
me afoguei. Desesperador;
teu adeus radical!

dinapoetisadapaz


Desejo ( 07 )

Sinto um desejo
que me arrebata,
mas falta-me ensejo

para chegar perto.
Meu olhar grita
em campo aberto,

Que pena, essa
tua cegueira maldita!!
Nem uma promessa?

dinapoetisadapaz


Vertigem ( 08 )

Quase um delíquio
essa louca paixão,
um profuso solilóquio.

Sombra e miragem
Gelou meu coração,
Naufraguei nessa viagem.

Loucuras do amor,
Devaneio e emoção.
Quase um terror!

dinapoetisadapaz


Dominante (09 )

Uma mente fértil,
A maturidade congelada,
Um coração juvenil.

Não há ferida,
nem dor sentida.
Há doces lembranças,

Dos desejos súcubos,
entre dois famintos...
Dominante, dominado.

dinapoetisadapaz


Brasileiro ( 10 )

Meu rico Brasil
Já foi motivo
De orgulho mil.

Hoje sinto tristeza,
Vejo-o assim cativo,
Perdeu sua nobreza.

Nós, os brasileiros
Engolindo os imperativos,
“Peles de carneiro”

dinapoetisadapaz

Cena  ( 11 )

Restou uma taberna,
adentrou no umbral,
triste cena interna...

Embriagada de paixão,
em estado terminal,
findou sua missão.

Morreu por amor,
um amor fatal
expoente do desamor.

dinapoetisadapaz


Tolerância (12 )

Para conversa insignificante
Faço vista grossa,
Aprendi ser tolerante.

Com imperfeições humanas
Não gasto prosa.
Acho isso bacana,

Não me aborreço,
Prefiro ser cuidadosa.
Desgaste, não mereço.

dinapoetisadapaz

 

Mulher ( 13 )

Perfume de rosa,
Gênio de cravo.
Se fica carinhosa

Esconde os espinhos,
Usa de conchavo
Leva-me  pro ninho.

Amor assim; perigo...
Com tais agravos
Até parece castigo.
dinapoetisadapaz


Procurei...  ( 14 )

Ocupar minha mente
Naquela tarde pachorrenta.
Era desejo premente

Esquecer aquele amor.
Uma saudade violenta
Desabrochou como flor!

Encontrei um livro,
Achado que alenta
Um ser vivo!!

dinapoetisadapaz

Mar ( 15 )

Que belo encontro,
Retinas e mar.
Encanta-me esse monstro,

De ondas murmurantes.
Vento a comandar
Seus movimentos constantes,

Desenha poesia líquida,
cantarolando canção, nina
As águas homicidas.

dibnapoetisadapaz
Ousadia  (16 )

Descerre as pálpebras,
Remova esse marasmo,
Acorde para vida.

Alguém te chama,
Convide o entusiasmo,
Teça nova trama.

Ousar faz-se necessário,
Brinque de malabarismo,
Vença o adversário.

dinapoetisadapaz


Esquecer ( 17 )

A moda despontou
na grande Natal,
o povo apoiou...

Um livro esquecido
em qualquer local,
é poema lido...

A leitura estimulada,
que coisa legal...
que ideia linda!
dinapoetisadapaz

dinapoetisadapaz


Engodo  (18 )
O coração que
balança pra todo
lado é por que

não ama verdadeiramente.
Vive em êxodo?
Quer curtir, somente!

Um amor assim,
é apenas engodo.
Recuso tal amante!

.dinapoetisadapaz


Fingimento (19 )

Com meu coração,
Você conseguiu brincar.
Deixou-me sem chão

Fragmentou meu ser,
Fingiu me amar
Gelou meu viver.

Estou quase nada,
Mas preciso voar
Xô vida passada!

dinapoetisadapaz




Nenhum comentário:

Postar um comentário